O que é hipertireoidismo e como tratá-lo

O que é hipertireoidismo e como tratá-lo

18 de novembro de 2021 Off Por Editor

Você sabe o que é hipertireoidismo? Esse distúrbio causado por hormônios afeta a tireoide, glândula localizada na região do pescoço, próximo da traqueia e é responsável pelo metabolismo de todo o corpo.

Atualmente, cerca de 60% dos brasileiros desenvolvem algum problema na tireoide ao longo da vida, conforme informações da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

Por se tratar de um distúrbio comum, você deve saber o que é hipertireoidismo, suas causas e como tratá-lo, garantindo saúde e qualidade de vida ao evitar seus impactos na rotina, assim como graves consequências. Continue a leitura e saiba quando é a hora de procurar um médico para tratar o que é hipertireoidismo!

O que é hipertireoidismo?

O hipertireoidismo é um distúrbio que acontece quando a tireoide funciona de forma acelerada, mais rápido que o normal, produzindo hormônios de forma excessiva. Se não tratado, o hipertireoidismo pode levar ao desenvolvimento de outros problemas de saúde, como a osteoporose e a insuficiência cardíaca congestiva.

As disfunções tireoidianas estão presentes na vida de boa parte da população. Considerando que a glândula deve funcionar em equilíbrio e harmonia com o cérebro para produzir hormônios responsáveis por estimular o metabolismo, a tireoide alterada pode causar problemas como o hipertireoidismo.

Como funciona a tireoide?

A tireoide é uma das maiores glândulas endócrinas do corpo, pesando cerca de 15 a 25 gramas em um adulto. As metades (lobos) da glândula estão conectadas no meio (chamado istmo), dando à tireoide a forma de uma gravata borboleta. Ela é responsável por regular funções em órgãos importantes, como cérebro, coração, rins e fígado. 

Além disso, interfere no crescimento e desenvolvimento de crianças e adolescentes, na fertilidade, peso, memória, humor e controle emocional. A tireoide deve estar em perfeito estado para garantir o bom funcionamento do organismo, com equilíbrio e harmonia.

A função da tireoide é produzir hormônios que são secretados no sangue e transportados para todos os tecidos do corpo. Os hormônios dessa glândula ajudam o corpo a controlar o metabolismo — isso é, a maneira como utiliza energia — e a manter o bom funcionamento do corpo. 

Dessa forma, por meio dos hormônios produzidos, a tireoide influencia quase todos os processos metabólicos em nosso corpo. Afinal, os hormônios da tireoide são responsáveis por regular funções vitais, como:

  • Sistema nervoso central e periférico;
  • Temperatura corporal;
  • Frequência cardíaca;
  • Níveis de colesterol;
  • Força muscular;
  • Peso corporal;
  • Respiração.

Normalmente, a tireoide não pode ser vista e mal pode ser sentida. Se aumentar, os médicos podem senti-la com facilidade, e uma protuberância proeminente (bócio) pode aparecer abaixo ou nas laterais do pomo-de-adão.

A tireoide alterada, ou seja, quando não está funcionando adequadamente, pode liberar hormônios em excesso ou de forma insuficiente. Os distúrbios que afetam a função da tireoide podem acelerar ou retardar os processos metabólicos, o que pode levar a uma ampla gama de sintomas.

Em alguns casos, nódulos duros se formam no interior da glândula. É possível, entre outras coisas, notar uma pequena protuberância na área da glândula. Em boa parte das vezes, os nódulos não são perigosos. Os nódulos da tireoide não são evitáveis, mas podem ser tratados buscando-se auxílio de um médico endocrinologista.

As causas mais comuns de problemas pela tireoide alterada são, geralmente, de ordem congênita, resultado de medicamentos ou devido a transtornos autoimunes. No entanto, alguns hábitos nocivos podem prejudicar a produção equilibrada de hormônios, tornando a tireoide alterada. São eles:

  • Sedentarismo;
  • Estresse;
  • Poucas horas de sono; 
  • Consumo excessivo de cafeína;
  • Baixa ingestão de iodo;
  • Alta quantidade de soja na dieta;
  • Abuso de bebidas alcoólicas;
  • Consumo elevado de refrigerantes diet;
  • Tabagismo;
  • Baixa ingestão de gorduras saudáveis;
  • Dieta rica em carboidratos e açúcar;
  • Consumo excessivo de margarina e outros óleos vegetais refinados.

Qual a diferença entre hipotireoidismo e hipertireoidismo?

Diferente do hipotireoidismo, que representa a diminuição na atividade da tireoide, o hipertireoidismo acontece quando a tireoide funciona mais rápido que o normal, produzindo os hormônios de forma excessiva. 

Se não tratado, o hipertireoidismo pode levar ao desenvolvimento de outros problemas de saúde, como a osteoporose e a insuficiência cardíaca congestiva. Essa produção excessiva de hormônios pode causar no indivíduo sintomas como insônia, nódulos no pescoço, nervosismo, intestino irregular, perda ou ganho de peso, sensação de calor excessiva e fraqueza muscular.

O que causa o hipertireoidismo?

Após saber o que é hipertireoidismo, é preciso compreender as causas deste distúrbio. O hipertireoidismo é causado pelo aumento na produção dos hormônios da tireoide. Esse aumento ocorre principalmente devido à Doença de Graves, doença autoimune em que as células do próprio sistema imunológico atacam a tireoide, resultando no aumento da produção excessiva de hormônios. Além da doença, outras causas do hipertireoidismo, são:

  • Presença de cistos ou nódulos na tireoide;
  • Inflamação na tireoide, causada por vírus ou no período pós-parto;
  • Dose excessiva de hormônios tireoidianos;
  • Consumo excessivo de iodo.

Sintomas do hipertireoidismo

A produção excessiva de hormônios tireoidianos pode causar no indivíduo sintomas como insônia, nódulos no pescoço, nervosismo, intestino irregular, perda ou ganho de peso, sensação de calor excessiva, fraqueza muscular. Além disso, também estão presentes: 

  • Alterações no ritmo cardíaco (arritmia, taquicardia ou palpitações); 
  • Suor excessivo; 
  • Sensação de cansaço; 
  • Ansiedade; 
  • Irritabilidade; 
  • Menstruação irregular (por vezes muito curta ou com pouco fluxo); 
  • Diarreia; 
  • Aumento do apetite; 
  • Queda de cabelo; 
  • Tremores nas mãos;
  • Pele quente e intolerância ao calor;
  • Dificuldade de raciocínio e concentração;
  • Aumento visível da glândula (bócio) ou presença de nódulos na região;
  • Agitação e hiperatividade;
  • Olhos inchados ou saltados;
  • Unhas quebradiças.

Principais dúvidas sobre o hipertireoidismo

Muitas pessoas não sabem o que é hipertireoidismo, mesmo sofrendo com este distúrbio. Por isso, as dúvidas relacionadas a esse assunto são muitas. A seguir, confira as principais questões sobre o hipertireoidismo.

Quem tem hipertireoidismo pode engravidar?

Ainda que possa ser um pouco mais difícil a fecundação, mulheres com hipertireoidismo podem engravidar. Contudo, é fundamental o acompanhamento médico, evitando o desequilíbrio hormonal no organismo. 

O aumento de hormônios da tireoide durante a gestação pode causar complicações como parto prematuro, baixo peso ao nascer, eclâmpsia, aborto e insuficiência cardíaca na mulher. 

Quem tem hipertireoidismo pode tomar café?

Muitas pessoas com problemas de tireoide devem tomar uma pílula de reposição hormonal antes de ingerir café. Isso porque a cafeína impacta de forma negativa na absorção de um hormônio tireoidiano. 

Além disso, os altos níveis de estrogênio causados pela ingestão de café inibem a conversão dos hormônios T3 e T4, prejudicando a tireoide. Por isso, é indicado evitar seu consumo.

Como é o uso de medicamentos para quem tem hipertireoidismo?

O que é hipertireoidismo

Assim como qualquer pessoa, indivíduos com hipertireoidismo devem evitar a automedicação, sem uma recomendação adequada de um médico. Contudo, este cuidado deve ser redobrado para quem sofre com esse distúrbio, considerando que algumas substâncias podem interagir com as indicadas para o tratamento, piorando o quadro.

Quais alimentos devem ser evitados no hipertireoidismo?

A isoflavona deve ser evitada para quem sofre com o que é hipertireoidismo. Essa substância contém o hormônio estrogênio, responsável pela formação do bócio.

Alimentos como a soja, couve e repolho devem ser evitados, assim como açúcares comuns e farina branca, contida em pães, massas, bolos e mais alimentos. É importante substituí-los pela versão integral.

Como tratar hipertireoidismo?

O hipertireoidismo deve ser tratado como um todo, diagnosticando não só o distúrbio, mas também sua causa. Dessa forma, o médico pode indicar o tratamento adequado para cada situação.

Este tipo de tratamento deve ser realizado com um profissional especialista, que possa orientar o paciente de acordo com seus níveis hormonais no sangue, idade, gravidade da doença e sintomas. De forma geral, três tipos de tratamentos são usados: medicamentoso, com iodo radioativo e cirúrgico.

Medicamentos

O uso de medicamentos para tratar o hipertireoidismo corresponde à primeira linha de tratamento, já que atuam diretamente na regulação dos níveis hormonais. Além disso, pode inibir a síntese de T4 e bloquear a sua conversão à T3. Ou seja, a quantidade de hormônios tireoidianos circulantes no sangue.

Os principais medicamentos recomendados por especialistas para tratar o hipertireoidismo são o Propiltiouracil e o Metimazol. Contudo, a dose utilizada deve depender dos níveis de hormônios no organismo, resposta ao tratamento e efeitos colaterais sentidos. 

Dessa maneira, durante o tratamento com medicamentos pode ser necessário fazer ajustes da dose. Por isso, é comum que o médico aumente ou baixe a dose, até encontrar a quantidade ideal.

Iodo radioativo

O tratamento realizado com iodo radioativo é conhecido como iodoterapia e consiste na ingestão de uma cápsula da substância. Essa alternativa é indicada quando o tratamento com medicamentos não foi eficaz. 

O método utilizando iodo radioativo promove uma intensa inflamação de células da tireoide, e resulta na diminuição da produção dos hormônios. Em muitos casos, uma dose da substância já pode ser suficiente para o tratamento do hipertireoidismo. Contudo, essa alternativa não é recomendada para mulheres grávidas ou lactantes.

Cirurgia para retirada da tireoide

Por fim, quando nenhum dos tratamentos acima apresentam sucesso, a cirurgia pode ser a única escolha. O procedimento para retirada da tireoide, também conhecido por tireoidectomia, é um tratamento definitivo que consiste na redução do tecido da glândula de forma a diminuir a produção de hormônios. 

Entretanto, com a retirada de parte da tireoide, essa cirurgia também está associada ao aumento da chance de desenvolvimento de hipotireoidismo. Por esse motivo, é importante que a pessoa tenha um acompanhamento regular com seu médico.

A cirurgia de retirada da tireoide é indicada para casos em que os outros tratamentos falharam ou quando existe a presença de nódulos, aumento exagerado da glândula ou câncer. De acordo com a gravidade do distúrbio, a cirurgia pode ser total ou parcial. Ou seja, com a retirada de apenas uma parte ou de toda a tireoide.

Qual profissional procurar para tratar o hipertireoidismo

A endocrinologia é a especialidade médica que cuida do funcionamento das glândulas, por isso, é o profissional mais indicado para diagnosticar e tratar o que é hipertireoidismo. O endocrinologista exerce um papel muito importante no tratamento de diversas patologias apresentadas na saúde. 

Os distúrbios tratados por esse especialista, os quais dizem respeito a glândulas do corpo, podem envolver a tireoide alterada e também glândulas como hipófise, hipotálamo, suprarrenais, gônadas, paratireoides e pâncreas. 

Nesse contexto, o endocrinologista atua provendo diagnóstico e tratamento dos problemas de ordem hormonal e as complicações que surgem deles, de modo a estabelecer o equilíbrio do organismo do paciente. Ele é o especialista que, em última instância, prima pelo bom funcionamento do corpo. 

Vale lembrar de que nosso sistema endócrino é composto de glândulas e órgãos que produzem hormônios que controlam uma série de funções, desde o metabolismo aos níveis de açúcar no sangue, humor, crescimento e até o sono. Desse modo, tem-se que os desequilíbrios hormonais são a razão subjacente a uma ampla gama de condições médicas que impactam na saúde e no bem-estar do paciente.

Assim, o endocrinologista se concentra em diagnosticar como os desequilíbrios hormonais podem afetar os pacientes de maneiras variadas, atuando de forma multidisciplinar — com ginecologista, reumatologia, entre outros especialistas — para prover um atendimento mais abrangente e certeiro para a condição de cada paciente.

Ao perceber sintomas de uma doença endocrinológica, como o hipertireoidismo, é importante buscar auxílio especializado. No entanto, isso não quer dizer buscar tratamento em qualquer local sem ter a certeza de tratar-se da melhor clínica de endocrinologia para as suas necessidades.

As patologias causadas pela tireoide alterada demandam um acompanhamento profissional e humanizado, proporcionado por uma clínica moderna, atualizada, com equipamentos de última geração e corpo médico que realmente coloque a saúde do paciente em primeiro plano.

Também é importante optar por um estabelecimento com capacidade para realizar exames e procedimentos diagnósticos, exames laboratoriais, terapêuticos e outros procedimentos demandados para o seu tratamento.

Outra recomendação importante é procurar uma clínica que conte, desde a recepção até o especialista médico, com profissionais capacitados e de confiança, que desenvolvam uma boa relação com o paciente e seus familiares, que atuem com dedicação na educação dos enfermos, fornecendo valiosas informações sobre como lidar com o problema endocrinológico e ter mais qualidade de vida.

Optar por uma clínica que disponibiliza alternativas terapêuticas inovadoras e menos invasivas, como as infusões de medicamentos, também faz toda a diferença para ter a certeza de que o seu tratamento será eficiente, seguro e com o menor incômodo possível.

Por fim, é essencial escolher uma clínica de endocrinologia que tenha boa credibilidade no mercado e junto a seus pacientes, e oferecer um atendimento integral e multidisciplinar, de modo a prover uma solução mais completa e eficiente ao seu problema.

Clínica Croce de endocrinologia

A Croce, localizada na zona oeste de São Paulo, está há mais de quatro décadas atuando com excelência na descoberta de diagnósticos e em tratamentos multidisciplinares em especialidades como a endocrinologia e também alergia e imunologia, sistema imunológico, reumatologia e otorrinolaringologia.

No segmento endocrinológico, contamos em nossa equipe com a prof.ª Dra. Marise Lazaretti Castro, Chefe do Grupo de Doenças Osteometabólicas da UNIFESP e diretora da Clínica Croce, e com a Dra. Vanessa Radonsky, pediatra e endocrinologista pediátrico pelo Instituto da Criança da USP, e especialista da Croce.

Ainda, como diversas doenças endocrinológicas são também patologias raras e de difícil diagnóstico, no corpo médico da Clínica Croce contamos com o Dr. Leonardo Oliveira Mendonça, alergista, imunologista especialista em doenças raras, que poderá dar suporte no tratamento se necessário.

Além de uma equipe altamente competente, formada por especialistas da USP e da UNIFESP, que propõem um atendimento humanizado e personalizado para cada cliente, a Clínica Croce conta com equipamentos e tratamentos inovadores.

A infusão de medicamentos é um exemplo de tratamento avançado para pacientes com doenças crônicas ou, ainda, para casos mais complexos e graves. As infusões medicinais surgem como uma forma mais eficaz de administrar a medicação e de obter melhores resultados para diferentes patologias.

Outro ponto de destaque é que, além de todo o diferencial oferecido pela clínica, a Croce é parceira da maioria dos planos de saúde disponíveis no mercado, incluindo Porto Seguro, SulAmérica, Bradesco, Amil, Unimed, Petrobras, Allianz, Careplus, Saúde Caixa, Mapfre Saúde e muitos outros.

Portanto, se você está em busca do melhor atendimento para problemas da tireoide alterada, a Clínica Croce é o local mais indicado, com ambiente seguro e moderno, além de profissionais altamente qualificados. 

Agora que você sabe o que é hipertireoidismo e como é possível tratá-lo, ao identificar algum desses sintomas é essencial buscar um especialista. Dessa maneira, é possível ter o diagnóstico correto e desenvolver um tratamento adequado.

Gostou deste conteúdo? Então, conheça os serviços de endocrinologia da Clínica Croce!