Endocrinologista: o que é e quais doenças trata?

Endocrinologista: o que é e quais doenças trata?

9 de julho de 2019 Off Por admin

Com o passar dos anos, é comum que as pessoas precisem de um acompanhamento médico com o endocrinologista, a fim de garantirem que a sua saúde e o seu bem-estar estejam em dia. No entanto, apesar da importância dessa área clínica para nosso desenvolvimento desde pequenos, ainda há alguma dúvida no público geral sobre o que é a endocrinologia e como se dá a atuação do endocrinologista. 

Primeiramente, é importante saber que o endocrinologista é o médico responsável por cuidar dos transtornos das glândulas endócrinas e hormônios, com o intuito de estabelecer o equilíbrio do organismo. Desse modo, esse especialista lida com distúrbios hormonais variados, de peso, de crescimento, entre diversos outros.

A denominação da área tem suas origens no grego, endo = interno e krino = secretar, isso é, “secreção interna”, referindo-se aos hormônios do corpo humano. Nossas principais glândulas endócrinas são a pineal, hipófise, pâncreas, ovários, testículos, glândula tireoide, paratireoide, hipotálamo e as suprarrenais.

Neste artigo, descubra mais sobre o que é e como atua esse profissional. Ainda, saiba mais sobre os tipos de problema tratados por ele e veja dicas sobre quando é a hora de procurar um endocrinologista. Acompanhe a seguir. 

A formação do endocrinologista

Para se tornar um endocrinologista, é necessário ter formação completa em medicina. Depois de concluir o curso de graduação, é preciso fazer a chamada residência médica, que equivalente a uma pós-graduação, porém tem como diferencial as aulas apresentarem caráter essencialmente prático. A residência para a endocrinologia tem, no Brasil, duração de dois anos. No total, o profissional se prepara em torno de oito anos até se especializar nessa área.

Depois disso, é comum que os profissionais continuem sua formação realizando curso de mestrado ou doutorado, além de outras especializações.

Dentro desse campo de atuação, existem áreas específicas nas quais o endocrinologista pode atuar e especializar-se, tais como a neuroendocrinologia, endocrinologia feminina, andrologia, endocrinologia pediátrica, endocrinologia e medicina do exercício do esporte, entre outras.

Ainda, há também os títulos de especialista outorgados por sociedades e conselhos médicos filiados à Associação Médica Brasileira (AMB). Para a área da endocrinologia, o órgão em questão é a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). Tal entidade realiza testes a fim de conceder aos médicos do país o título de Especialista em Endocrinologia e Metabologia.

O que faz um endocrinologista?

A lista de doenças tratadas pelos endocrinologistas é longa e seu campo de atuação bastante abrangente. Mas, de modo geral, sua função é cuidar das glândulas endócrinas e dos hormônios que são produzidos e secretados por elas, além das alterações metabólicas e dos distúrbios decorrentes da deficiência ou do excesso hormonal.

Tais patologias tratadas pelos endocrinologistas podem surgir por diversos fatores, entre eles o estilo de vida, a genética e as influências ambientais externas, como contato com substâncias químicas, por exemplo.

Esse profissional pode atuar em centros de estética, centros de pesquisa, centros esportivos, universidades, consultórios próprios, postos de saúde, hospitais e clínicas — tanto da rede pública quanto da rede privada. Independentemente do local de trabalho, entre suas atribuições, ele analisa o histórico do paciente, solicita exames, receita medicamentos, faz diagnóstico, realiza acompanhamento pré e pós-operatório (no caso de cirurgia bariátrica, por exemplo), elabora estratégia para tratamento e, conforme a situação, pode recomendar intervenções cirúrgicas.

Ainda, quanto à sua atuação, destacamos que há uma área em crescimento que é a chamada endocrinologia esportiva. Nela, o médico auxilia o paciente a melhorar sua performance nos esportes – recreativos ou profissionais – e a reduzir sua gordura e aumentar a massa muscular, entre outras funções.

Principais problemas tratados por endocrinologistas

As patologias tratadas pelo endocrinologista são divididas, basicamente, em três grupos. A saber:

  • Doenças causadas por deficiência hormonal.
  • Doenças causadas por níveis hormonais excessivos.
  • Doenças causadas pelo desenvolvimento de tumores nas glândulas endócrinas.

Nesse contexto, os casos mais comuns nos quais o acompanhamento com o especialista pode ser indicado são:

Menopausa

Com o passar do tempo, geralmente por volta dos 50 anos de idade, a progesterona e o estrogênio começam a falhar e, com a ausência desses hormônios e o chamado fim da vida fértil da mulher, tem-se o início da menopausa. Essa condição é marcada comumente por sintomas como alteração de humor, calor excessivo, ganho de peso, falta de libido, etc. Para sanar ou amenizar tais sintomas, são indicadas algumas terapias de reposição hormonal (TRH). Ainda, para lidar com a menopausa, é comum que a mulher precise do auxílio tanto do endocrinologista quanto do seu ginecologista.

Andropausa

Da mesma forma, com a idade, os homens vão perdendo os níveis de testosterona, o que também gera sintomas como depressão, redução na força muscular, disfunção sexual, entre outros. Nesses casos, o endocrinologista é quem indica o melhor tratamento, que também pode contemplar a reposição hormonal.

Diabetes

Conforme dados, o número de brasileiros com diabetes cresceu mais de 60% em 10 anos, já atingindo cerca de 9% da população. E a tendência é de crescimento desses índices – sobretudo estimulado por questões como o envelhecimento da população, as mudanças dos hábitos alimentares e o sedentarismo. Nesse contexto, é importante saber que as alterações metabólicas que resultam em diabetes começam um bom tempo antes do seu diagnóstico. Mudanças na glicose sanguínea, alterações nos níveis de colesterol, hipertensão arterial, vista embasada, sede excessiva  e outros fatores de risco devem ser sintomas de alerta para uma ida ao endocrinologista.

Obesidade

Trata-se do excesso de gordura no corpo, comumente medido pelo chamado IMC – Índice de Massa Corporal — combinado com outras métricas e critérios. Ela representa um grande risco para a saúde, que tem crescido assim como o ritmo da vida moderna – de fato, conforme pesquisa, mais da metade da população das capitais brasileiras apresenta excesso de peso. Nesse contexto, o diagnóstico da causa da obesidade e o tratamento orientado pelo especialista diminuem seus riscos e complicações e, por vezes, até revertem o quadro. Ainda, auxiliam na redução de problemas decorrentes dessa condição — tais como hipertensão, doenças vasculares e diabetes.

Crescimento e puberdade

Extremos de baixa ou alta estatura, presença precoce ou tardia de pelos pubianos ou o desenvolvimento célere das mamas podem estar relacionados à produção desregulada de hormônios. Nesse contexto, o endocrinologista pediátrico exerce papel fundamental para o desenvolvimento dos indivíduos desde o período neonatal até o final da adolescência (que ocorre por volta dos 20 anos). Algumas pessoas desconhecem, mas é ele o responsável pela realização do importante “teste do pezinho” nas primeiras horas de vida das crianças.

Tireoide

A tireoide é uma glândula que atua na função de órgãos importantes do nosso corpo, tais como coração, fígado e rins. Ainda, ela exerce impacto também em áreas cruciais como o crescimento das pessoas, o ciclo menstrual das mulheres, a fertilidade, o peso, entre outras. Por isso, é essencial que ela funcione corretamente, proporcionando condições para que nosso organismo também funcione bem e em equilíbrio. Vale também salientar que os hormônios T3 e o T4, produzidos pela tireoide, são responsáveis pelo bom funcionamento de todos os órgãos. Sua diminuição (hipotiroidismo), bem como o seu aumento acelerado (hipertireoidismo), assim como o surgimento de nódulos, pode afetar a saúde e o bem-estar do paciente.

Osteoporose

Estima-se que dez milhões de brasileiros apresentem osteoporose. Trata-se de uma doença que ocasiona a diminuição da massa óssea e a piora da sua qualidade. Com o passar do tempo, os ossos se tornam frágeis e porosos e é preciso o acompanhamento médico do endocrinologista para lidar com tal quadro. O profissional também poderá atuar preventivamente, orientando o paciente sobre ações favoráveis ao bom desenvolvimento e ao fortalecimento ósseo.

Outros problemas

Tais como deficiência de vitamina D, síndrome do ovário policístico, distúrbios na menstruação, problemas nos testículos, colesterol elevado, distúrbio da glândula suprarrenal e tumores hipofisários também fazem parte do rol de especialidades desse profissional.

Qual é a importância de buscar o auxílio de um endocrinologista?

A endocrinologia é uma área chave para a nossa saúde e o nosso bem-estar, que apresenta relação direta com diversas outras especialidades médicas, tais como ginecologia, gastroenterologia, dermatologia e cardiologia.

Nesse contexto, é importante ter em mente que nossos mais de 50 tipos de hormônios exercem papel crucial para o correto funcionamento do organismo e para funções como respiração, crescimento e reprodução. Por isso, qualquer alteração hormonal pode impactar nossa saúde, bem-estar e qualidade de vida. 

Somente com o apoio desse profissional, em caso de problemas endocrinológicos, será possível melhorar o desempenho ou restabelecer as funções normais do organismo.

E tais problemas apresentam uma incidência elevada — o hipo e o hipertireoidismo, por exemplo, atingem entre 2% a 5% da população e casos de nódulos de tireoide devem ocorrem em metade do público feminino acima de 50 anos de idade. Por isso, a atuação de um especialista torna-se fundamental e assumir uma atitude preventiva, fazendo consultas periódicas, sobretudo quando se está em algum grupo de risco, torna-se ainda mais importante.

E o papel e a atuação do endocrinologista só tendem a crescer. Questões como o desenvolvimento dos estudos moleculares, em breve, poderão permitir que o especialista detecte a mutação em um gene e aja preventivamente antes que a patologia, de fato, se manifeste e afete o cotidiano do paciente. A tendência é de que esse tipo de tratamento, em um futuro próximo, assuma um caráter até mesmo rotineiro.

Ainda, outros avanços, tais como estudo do DNA e terapia gênica e tratamentos a partir de células-tronco devem demandar cada vez mais a atenção e o envolvimento do endocrinologista.

Quando procurar um endocrinologista?

O profissional deve ser contatado diante de qualquer sinal de uma doença endócrina, como é o caso dessas que vimos anteriormente. Independentemente de idade ou sexo, quando houver sintomas de disfunção hormonal de qualquer natureza, é necessário buscar o apoio desse especialista.

Ainda, pensando na saúde e no desenvolvimento das crianças, o endocrinologista pediátrico pode ser procurado conforme orientações do pediatra ou mesmo de modo proativo pelos pais, sobretudo com o aparecimento de problemas como desaceleração do crescimento, sobrepeso ou obesidade infantil, puberdade prematura (antes dos 8 anos para as meninas e antes dos 9 anos para os meninos), entre outros. 

Alguns quadros de risco, como mulheres acima dos 35 anos, demandam acompanhamento periódico para questões como menopausa, climatério e função tireoidiana, mesmo na ausência de sintomas.

Além dessas ocorrências, é recomendado consultar um endocrinologista sempre que você sentir alterações em seu organismo e em seu estilo de vida, como, por exemplo: distúrbios de sono, falta de libido ou desenvolvimento sexual irregular, dificuldade para engravidar, mudanças significativas de peso, irregularidade menstrual, diagnóstico de diabetes, entre outras. Ainda, para quem está precisando perder peso, ter o acompanhamento desse profissional é fundamental.

E, por fim, para ficar tranquilo de que seu sistema endócrino está funcionando bem, é importante fazer um checkup anualmente.

Exames geralmente solicitados pelo endocrinologista

Os exames solicitados por esses profissionais comumente tendem a identificar a produção excessiva ou a deficiente de hormônios desenvolvidos por determinadas glândulas.

Os resultados geralmente são obtidos por meio de exames de sangue ou de urina. Entre os mais comuns, podemos destacar: TSH (hormônio estimulante da tireoide), Testosterona, Progesterona, T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina), FSH (hormônio estimulante dos folículos), GH (hormônio do crescimento), IGF-1 (fator de crescimento semelhante à insulina, tipo 1), entre outros.

Como ocorre o tratamento de doenças endócrinas?

O tratamento, naturalmente, irá depender da causa e das consequências clínicas do problema endocrinológico. Por isso, somente poderá ser administrado após o profissional avaliar diferentes aspectos do histórico e do perfil do paciente. 

Alguns tratamentos possíveis abrangem a reposição hormonal, demandando o uso de medicamentos; o tratamento cirúrgico; a reeducação alimentar aliada à prática de exercícios físicos; entre outras possibilidades específicas para cada caso e que somente poderão ser recomendadas por seu médico. 

Aqui é importante lembrar-se: a automedicação é extremamente perigosa e pode agravar ainda mais seu quadro. Ainda, seguir dietas e práticas alimentares sem a devida orientação pode, na verdade, dificultar seu processo de emagrecimento e, também, trazer outros problemas de saúde.

Endocrinologista x nutricionista: entenda as diferenças

Em determinados contextos, a função desses especialistas é confundida, uma vez que ambos podem atuar no processo de perda de peso do paciente, por exemplo. No entanto, esses profissionais, apesar de atuarem em áreas correlatas, exercem papéis diferentes.

O nutricionista realizou sua formação em nutrição. Portanto, ele faz orientações nutricionais e dietéticas a seus pacientes, ajudando a melhorar sua qualidade de vida e contribuindo para uma alimentação mais equilibrada. Para isso, o nutricionista pode indicar suplementações, no entanto, como ele não é formado em medicina, não pode prescrever medicamentos – ao contrário do que ocorre com o endocrinologista.

Como vimos, o profissional da endocrinologia atua no diagnóstico e no tratamento de patologias relacionadas a distúrbios hormonais e modificações no metabolismo de seus pacientes. Entre suas atribuições, esse médico pode solicitar a realização de exames e fazer a prescrição de medicamentos. Ainda, pode orientar seu paciente a complementar o tratamento por meio da consulta com um nutricionista.

Para ilustrar mais claramente essa diferença, no caso de alguém precisar emagrecer, por exemplo, o nutricionista poderá ser procurado a fim de se estabelecer uma reeducação alimentar e desenvolver um cardápio ideal para o metabolismo do paciente. Já o endocrinologista poderá ser consultado para a identificação de eventuais problemas hormonais que possam estar impedindo o processo de emagrecimento, para a complementação com a prescrição de medicamentos redutores ou reguladores de apetite, etc.

Cabe destacar que, em casos como esse, é bastante comum a atuação de uma equipe interdisciplinar, formada por ambos os profissionais, para a promoção de um tratamento mais eficiente para o paciente.

E então, ficou mais claro agora para você o que é, o que faz e qual é a importância do endocrinologista? Se ainda restam dúvidas, você pode realizar uma consulta conosco através do teleatendimento. Faça seu agendamento pelo WhatsApp agora mesmo!