Os 11 principais sintomas da alergia respiratória

Os 11 principais sintomas da alergia respiratória

12 de março de 2021 Off Por Editor

Boa parte dos sintomas da alergia respiratória são causados por fatores genéticos. No entanto, muitos casos podem estar relacionados de forma direta ao clima e fatores ambientais.

Segundo pesquisas relacionadas ao assunto, a mudança climática pode ser uma interferência no bem-estar e saúde individual dos seres humanos. Por isso, seus efeitos podem agravar doenças respiratórias como asma e bronquite, afetando pessoas no mundo todo.

Na leitura de hoje, você poderá conhecer melhor os sintomas da alergia respiratória, suas causas, formas de tratamento adequado e também compreender mitos e verdades sobre este assunto. Continue a leitura para saber mais!

O que é a alergia respiratória

As alergias são respostas exageradas que o organismo humano apresenta após o contato com o ambiente que nos rodeia, com substâncias alérgenas feito o pólen e ácaros. Mais frequentes quando existem casos familiares, as doenças alérgicas apresentam risco genético para sua ocorrência.

As doenças que afetam as vias respiratórias ocorrem devido a uma hipersensibilidade que o indivíduo possui a determinados fatores, como pelos de animais, mudanças climáticas e exposição a ácaros. O resultado dessa condição são espirros e coriza constantes, a dificuldade para respirar, tosse persistente e coceira na garganta e no nariz.

Os sintomas da alergia respiratória costumam acontecer devido a uma hipersensibilidade a diversos fatores, como poeira, ácaro, pelo de animais, e mudanças climáticas. Podem provocar espirros, coriza constante, tosse, coceira no nariz e garganta, e dificuldades para respirar.

A crescente prevalência das doenças alérgicas, seu impacto no bem-estar coletivo e individual, e o prejuízo social que se associa a elas, confirmam a necessidade de diferentes opções terapêuticas e de profissionais especialistas capacitados para enfrentar o desafio de tratar os sintomas dessas condições, como alergistas.

Ainda que nem todos os casos alérgicos apresentam a possibilidade de cura, existem outras maneiras de controlar as crises e aliviar os sintomas, proporcionando conforto para os pacientes alérgicos. Por isso, é importante conhecer mais sobre as principais doenças que podem ser tratadas pelo alergista. 

Tipos de alergia respiratória

Assim como os outros tipos de alergia, as respiratórias são divididas em diferentes tipos. Entre as principais delas estão a asma, rinite alérgica, sinusite e bronquite alérgica. Conheça um pouco mais sobre cada uma delas.

Asma

É durante a primavera que o pólen das flores e gramíneas são carregados pelo vento, tornando-se alérgenos nas crises de asma, doença crônica que não apresenta cura. A asma é caracterizada pela inflamação das vias aéreas, e mesmo que suas causas não sejam bem definidas, sabe-se que provavelmente são decorrentes da combinação de fatores genéticos e ambientais. 

É nessa alergia respiratória que os brônquios ficam inflamados, principalmente ao entrar em contato com fatores desencadeantes que dificultam a respiração, como poeira, poluição, ar frio e fumaça de cigarro.

Ainda que o tratamento seja feito sob orientação médica com o uso de medicamentos controlados para aliviar e prevenir o aparecimento dos sintomas, eles podem estar presentes.

Rinite alérgica

Parecida com um resfriado, a rinite alérgica tem como sintomas diferenciais, coceira no nariz, olhos e garganta, além disso, seus sintomas são mais persistentes do que um resfriado comum. 

Mais comum em crianças, a rinite alérgica atinge cerca de 30% delas, e é desencadeada por ácaros, pólen, e epitélios de animais. A variação climática da primavera e a poluição acabam piorando os sintomas da alergia respiratória. 

Sabe-se também que um indivíduo com rinite é geneticamente predisposto se um dos pais for alérgico, aumentando as chances em até 30%. Caso os dois pais possuam a rinite alérgica, a criança tem até 80% de chances de também desenvolver a doença.

Sinusite

A sinusite é uma inflamação dos seios paranasais frequentemente desencadeada por quadros associados à rinite alérgica. Essa doença causa extremo desconforto no paciente, como dores na cabeça e na face, coceira na garganta, congestão nasal e olhos lacrimejantes.

Bronquite alérgica

A bronquite alérgica faz parte das alergias respiratórias, e pode ser provocada por uma série de motivos, desde a presença de poeira até o hábito de fumar. É importante conseguir identificar o agente alérgico causador para poder eliminar o problema, solucionando as crises.

Assim como a asma, a bronquite tem causadores parecidos. Contudo, não existe relação entre elas, mas sim entre os fatores que originam seus sintomas, como os pelos de animais, fumaça, mofo, entre outros.

Causas da alergia respiratória

As doenças alérgicas acontecem com a resposta exagerada do sistema imunológico após a exposição aos agentes alérgenos (substâncias que causam as reações alérgicas). Essas alergias podem variar de acordo com os agentes que foram causadores depois da inalação, causando dificuldades respiratórias, como rinite e asma. 

Agentes causadores e sintomas

Os maiores agentes causadores dos sintomas da alergia respiratória são o pólen, mofo, insetos, como ácaros e baratas, ou alérgenos de animais, como pelos, penas, saliva, a transmissão de vírus e proliferação de fungos e bactérias. 

Entre os sintomas podem estar a congestão nasal, coriza, coceira no nariz e olhos, espirros, olhos vermelhos, rouquidão, coceira na garganta e dificuldades para dormir devido os problemas para respirar com tranquilidade. 

Hereditariedade

Em relação à predisposição, estudos sugerem um risco aumentado para desenvolver a alergia respiratória quando a criança nasce por meio de parto cesariana. Contudo, na maioria das vezes, há o diagnóstico de condições alérgicas nos pais. Desta forma, o componente hereditário parece se destacar. 

Conforme a predisposição individual, a pessoa que tiver exposição ao longo do tempo a um determinado alérgico poderá desenvolver indícios típicos de sintomas da alergia respiratória. 

Sazonalidade

Segundo informações da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF), fatores como alterações climáticas durante o dia com quedas de temperatura e aumento da poluição, também contribuem para que o organismo seja mais susceptível à vírus, inflamação, e desenvolvimento de sintomas da alergia respiratória.

11 principais sintomas da alergia respiratória

Os sintomas da alergia respiratória podem ser apresentados como tosse seca sem a presença de secreção, tosse seca persistente ou que ocorre algumas vezes ao dia e tosse irritativa. Conheça a seguir, os 11 principais sintomas da alergia respiratória que podem ser indicadores para a necessidade de uma consulta com um alergologista. São eles:

  1. Tosse seca;
  2. Coceira na garganta;
  3. Tosse que piora no período noturno;
  4. Coriza;
  5. Espirros;
  6. Lacrimejamento dos olhos;
  7. Irritação em olhos, nariz e boca;
  8. Falta de ar;
  9. Chiado no peito;
  10. Sensação de nariz entupido;
  11. Coceira nos olhos.

Diagnóstico

O diagnóstico para os sintomas da alergia respiratória é feito por uma alergista ou alergologista, baseando-se em sinais e sintomas apresentados pela pessoa. Contudo, alguns testes devem ser realizados para identificar a alergia, confirmando os agentes responsáveis e auxiliando na indicação para o melhor tratamento.

Tratamento para alergia respiratória

A alergia respiratória pode ser tratada com diferentes medicamentos. Entretanto, sua eficácia pode variar. Os antialérgicos podem ser a melhor forma de controlar os sintomas da alergia respiratória, assim como as infusões medicinais

Medicamento para alergia respiratória

Os corticoides são utilizados como forma de controlar os sintomas da alergia respiratória. Eficazes e seguros, o uso de inaladores permite que a pessoa tenha menos efeitos colaterais, comuns neste tipo de medicamento. Além dele, antialérgicos são utilizados como forma aliviar os sintomas. 

A imunização é fundamental, não só para prevenir outras doenças, mas também combater as alergias. No combate às alergias, medidas de controle como a imunização por meio de vacinas, são grandes aliadas. 

Infusões medicinais no tratamento dos sintomas da alergia respiratória

Infusões medicinais são medicamentos biológicos administrados por via subcutânea que permitem fornecer fluidos em volumes e taxas precisas. Contudo, além do tipo de aplicação, a composição do medicamento também é diferenciada, sendo o resultado de diversas pesquisas e aperfeiçoamentos realizados via engenharia genética derivados de anticorpos humanos ou de origem animal, modificados em laboratório genético. 

Dessa forma, as infusões medicinais revolucionam as opções de tratamentos até então disponíveis por sua efetividade, segurança, controle, potencial de atenuar sintomas realmente incômodos e de proporcionar mais qualidade de vida ao indivíduo.

Em muitos casos, infusões medicinais são a única forma efetiva de tratamento, sobretudo no contexto de doenças com nível moderado ou grave de avanço. Por isso, estão entre as grandes apostas da medicina para tratar um número cada vez maior de doenças de modo eficiente, seguro, humanizado e cômodo ao paciente.

Novas terapias possibilitam cada vez mais pessoas a ter acesso a tratamentos seguros, eficientes e efetivos para doenças nas mais variadas áreas da saúde, que antes não apresentavam terapia eficaz. 

Com a aplicação de fluidos intravenosos, as infusões medicinais são uma forma de terapia reconhecida por seus benefícios. Elas possibilitam aliviar e lidar com diferentes condições, fornecendo taxas, volumes e intervalos precisos e programados, de acordo com a característica de cada paciente.

Utilizada com frequência na realização de tratamentos mais complexos, especialmente pela segurança trazida pelo processo, por possibilitar controle mais preciso sobre a dosagem e pela velocidade que o medicamento alcança a corrente sanguínea em casos de emergências, as infusões medicinais também são recomendadas para os casos nos quais haja necessidade de administrar os medicamentos de forma lenta e constante. 

As infusões medicinais são usadas com maior frequência para tratar quadros de desidratação. Mas a utilização dessa forma de terapia inclui administração de diferentes compostos, como vitaminas, antivirais, antibióticos e outros. O procedimento também é usado em casos de alergia respiratória.

O tratamento, baseado principalmente no uso de broncodilatadores e anti-inflamatórios como a cortisona, pode ser realizado com a infusão medicinal. Isso ajuda a reduzir o número de crises alérgicas e aumenta a qualidade de vida da pessoa.

Na Clínica Croce, contamos com um corpo médico que contempla especialistas de diversas áreas, incluindo a alergologia e imunologia. A clínica é uma das mais conceituadas do país e disponibiliza alergologistas com ampla experiência e prontos para fornecerem o atendimento qualificado e humanizado que o paciente necessita para os sintomas da alergia respiratória.

A clínica conta com estrutura, equipamentos e metodologias modernas para dar o suporte necessário. O corpo clínico da Croce está preparado para prestar atendimento qualificado e especializado, por meio de exames, testes, consultas, diagnósticos e encaminhamento de tratamentos diversos, trazendo muito mais conforto para os seus pacientes.

Possíveis complicações

Além de diminuir a qualidade de vida, prejudicando a produtividade da pessoa em seu trabalho, estudo e outras atividades de sua rotina, os sintomas da alergia respiratória podem levar a outras doenças e complicações. Veja as principais:

  • maiores riscos em uma contaminação por Covid-19;
  • maiores chances de adquirir outras doenças causadas por vírus;
  • inflamações e infecções de garganta;
  • respiração ruidosa;
  • dificuldades para dormir, diminuindo a qualidade do sono e, consequentemente, a imunidade;
  • possível deformação da arcada dentária.

Principais dúvidas sobre a alergia respiratória

Os sintomas da alergia respiratória podem ser confundidos com outras condições respiratórias. Por isso, muitas dúvidas e informações erradas sobre o assunto acabam sendo disseminadas, limitando as atividades das pessoas por medo de algo que muitas vezes não tem fundamento. A seguir, você vai conhecer as principais dúvidas sobre a alergia respiratória.

Os sintomas da alergia respiratória surgem de repente?

Para que os sintomas da alergia respiratória apareçam em uma pessoa, ela deve ser exposta ao contato com um agente alérgeno anteriormente, ao menos uma vez. Contudo, não é possível prever quando isso poderá acontecer, visto que a alergia ocorrerá somente após o contato com a substância que causa sensibilidade.

Os sintomas alérgicos são iguais aos da gripe?

Muitas vezes, os sintomas da alergia respiratória podem ser confundidos com os da gripe. Isso acontece pela presença de tosse, espirros, nariz entupido e coriza. A grande diferença é que as infecções gripais também apresentam outros sinais, como dores no corpo, fraqueza e dores de garganta.

As pessoas com alergia respiratória podem praticar esportes?

Sim. Praticar atividades físicas é importante — elas são recomendadas para prevenir crises alérgicas. Entretanto, é preciso ter orientação médica para saber quais são os exercícios mais indicados.

O frio piora os sintomas da alergia respiratória?

Na verdade, as baixas temperaturas não agravam os quadros alérgicos, mas sim as mudanças bruscas de temperaturas. Além disso, o uso de cobertores e casacos guardados por muito tempo e ambientes com janelas fechadas aumenta o contato da pessoa com os ácaros. Piorando os sintomas.

As alergias têm cura?

Por serem doenças crônicas, as alergias respiratórias não têm cura. No entanto, o tratamento baseado no controle dos sintomas ajuda a promover uma qualidade de vida adequada a seus portadores. Uma das intervenções que pode ser realizada é a vacina antialérgica, modificando a resposta diante dos alérgenos e melhorando o bem-estar do indivíduo.

Como saber se você é alérgico

Existem dois tipos de testes. Para alergias respiratórias é feito o teste cutâneo de puntura – com gotas do antígeno pesquisado (ácaros, animais, pólen) no braço do paciente – após 15 ou 20 minutos. 

Se o indivíduo for alérgico, aparecerá uma reação com formação de pápula vermelha, com coceira no local da gota. Isso significa que o indivíduo tem anticorpos para aquele antígeno e está sensibilizado.

Esta avaliação também pode ser feita com um exame de sangue – ImmunoCAP. Para as alergias de contato na pele, usamos o teste de contato tardio (Patch test), onde as substâncias suspeitas são colocadas em uma fita adesiva larga que fica grudada por dois dias nas costas do paciente.

Para as alergias a alimentos e medicamentos o melhor teste é o de provocação, que só deve ser indicado e realizado pelo especialista em alergia, pois pode ter reações mais graves. Ambos exames podem ser realizados na Clínica Croce.

Você pôde acompanhar os 11 principais sintomas da alergia respiratória no artigo de hoje. Além disso, conheceu melhor os tipos mais comuns, as formas de tratamento, e como a infusão medicinal pode ser uma excelente alternativa para melhorar a qualidade de vida do portador de alergias.

Por isso, caso você tenha algum destes sintomas, agende sua consulta com a Clínica Croce. Por meio do atendimento via telemedicina é possível ser atendido de qualquer lugar do Brasil, sem a necessidade de estar em São Paulo, cidade sede da clínica.