Obesidade infantil – é possível prevenir!

Fomos conversar com a Dra. Vanessa Randosky, especialista em endocrinologia da Clínica Croce, para saber mais sobre a obesidade infantil.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam que em 2025, cerca de 2,3 bilhões de adultos estarão com excesso de peso, sendo mais de 700 milhões obesos. O número de crianças com sobrepeso e obesidade poderá chegar a 75 milhões, caso nada seja feito.

Saúde em Foco – Qual o percentual de crianças obesas no Brasil?
Dra. Vanessa – No Brasil, uma em cada três crianças, entre 5 e 9 anos, está acima do peso. Quando separado por sexo: meninos obesos já somam 16,6% e meninas obesas 11,8%.

Saúde em Foco – Quais os primeiros sinais da obesidade infantil?
Dra. Vanessa – Um dos primeiros sinais de obesidade infantil pode ser observado no bebê fofinho, cheio de dobrinhas, que antigamente era sinônimo de saúde. Crianças que não receberam aleitamento materno apresentam uma maior propensão para obesidade infantil, mas após os dois anos de idade é o momento mais propício para a criança adquirir hábitos alimentares ruins, pois experimentam muitos alimentos ditos “não saudáveis”, podendo desenvolver seletividade e rejeitar certos alimentos.

Saúde em Foco – Além do endocrinologista e pediatra, qual outra especialidade deve fazer o acompanhamento da criança?
Dra. Vanessa – Crianças obesas necessitam de acompanhamento multidisciplinar e devem ser acompanhadas também pelo nutricionista, psicólogo e educador físico.

Saúde em Foco – Quais os principais vilões da obesidade infantil?
Dra. Vanessa – O sedentarismo e uma alimentação inadequada. Crianças têm permanecido muitas horas em frente ao computador, vídeo game e televisão e deixam de brincar e praticar esportes. Consomem alimentos processados e industrializados, ricos em açúcar como refrigerantes, biscoitos, macarrão instantâneo e guloseimas.

Saúde em Foco – Como educar nutricionalmente uma criança? Quais dicas para os pais?
Dra. Vanessa – O leite materno é o melhor alimento a ser oferecido para as crianças até os seis meses de idade. A introdução alimentar a partir dos seis meses deve ser realizada de modo a criar hábitos alimentares saudáveis. Seguem algumas dicas sobre alimentação infantil:
• Adquirir horário para as refeições
• Realizar 6 refeições por dia (3 principais e 3 “lanches”)
• Evitar “beliscar” entre as refeições
• Diminuir o tamanho das porções dos alimentos
• Diminuir o hábito de comer assistindo televisão
• Mudar para laticínios com baixo teor de gordura
• Aumentar consumo de frutas, vegetais e fibras
• Tomar de 6 a 8 copos de água por dia
• Substituir refrigerante por suco natural
• Restringir o consumo de sódio
• Estimular o consumo de aves, carnes vermelhas magras e de peixes.

Saúde em Foco – A escola também tem o papel de educar a criança nutricionalmente ou os pais devem levar isso para a escola?
Dra. Vanessa – A nutrição das crianças na escola deve ser realizada em conjunto. A escola tem o papel fundamental de fiscalizar os alimentos comercializados na cantina, que devem ser predominantemente saudáveis. Os pais precisam fiscalizar a escola e também orientar os filhos da importância de uma alimentação saudável. O lanche da escola deve ser composto de uma fruta, um carboidrato (pão ou biscoito integral), uma proteína (queijo ou peito de peru) e bebida sem açúcar, como água. Deve-se evitar suco industrializado e refrigerante que são altamente acrescidos de açúcar.

Saúde em Foco – Quais as principais doenças que a obesidade desencadeia?
Dra. Vanessa – Entre as doenças relacionadas com a obesidade infantil podemos citar a dislipidemia (aumento do colesterol e triglicérides), resistência à insulina, diabetes, hipertensão, disfunção respiratória entre outras.

 

Compartilhe