Novo medicamento trata a causa do raquitismo

Diagnóstico precoce e novo tratamento pode controlar a doença

Está chegando ao Brasil um medicamento que trata o raquitismo, doença que atinge os ossos, deixando-os fracos, moles e fazendo com que enverguem. O raquitismo ocorre em crianças e pode ser percebido quando ela começa a andar, já que o peso do corpo força os ossos das pernas a entortar para dentro, fazendo um joelho encostar no outro, ou a entortar para fora, abrindo as perninhas da criança. É chamado pelos médicos como genu valgum ou genu varum (desalinhamento do quadril e pernas).

O raquitismo hipofosfatêmico é a forma mais comum da doença no Brasil, e aparece quando os níveis de fósforo no sangue estão muito abaixo do normal. Isso acontece devido a uma substância que está em excesso nesses pacientes, o chamado FGF-23, que faz com que esses pacientes percam fósforo pela urina.

Embora seja considerada uma doença rara, a prevalência é de 1 a cada 20 mil nascidos vivos, o alerta é para o diagnóstico precoce. “As consequências do raquitismo são muito sérias, já que resulta em fraturas, deformidades, muitas cirurgias corretivas e comprometimento da estatura da criança”, alerta a Dra. Marise Lazaretti Castro, endocrinologista e diretora da Croce, clínica especializada no diagnóstico e tratamento nas áreas de Endocrinologia adulta e infantil, Alergia, Imunologia, Otorrinolaringologia e Reumatologia.

Novo tratamento – Até então, os medicamentos administrados aos pacientes eram o calcitriol e o fósforo oral para corrigir os níveis baixos do fósforo no sangue. “Agora, o novo medicamento com anticorpo monoclonal captura o FGF-23 e o neutraliza, fazendo com que o fósforo no sangue volte aos níveis normais, corrigindo a deficiência de fósforo. A criança crescerá sem as deformidades causadas pela doença”, explica Dra. Marise.

O anticorpo monoclonal para raquitismo é apresentado em forma injetável e deve ser administrado a cada duas semanas. O tratamento deve ser feito em longo prazo, já que ele é indicado para o controle da doença, que não tem cura.

A endocrinologista da Clínica Croce chama atenção para os sinais que podem despertar suspeitas sobre raquitismo: “É importante observar se a criança está apresentando déficit no crescimento e desenvolvimento, tem dificuldade de andar, se as perninhas estão ficando tortas. São sinais que podem levar a um diagnóstico precoce de uma forma de raquitismo. O endocrinologista é o especialista que cuida do raquitismo”, alerta a especialista.  

Compartilhe