17 sintomas da menopausa para você se atentar

17 sintomas da menopausa para você se atentar

27 de dezembro de 2021 Off Por Editor

Você conhece os sintomas da menopausa? Apesar de ser uma situação conhecida, muitas mulheres não sabem como ela começa a se manifestar. Por isso, separamos algumas informações relacionadas a esse assunto no artigo de hoje. 

A seguir, entenda melhor como ocorre, causas e sintomas da menopausa, condição que afeta mulheres entre 45 e 55 anos, e em alguns casos, pode aparecer de forma precoce, aos 40 anos.

O que é menopausa?

A menopausa corresponde ao último ciclo menstrual da mulher. Ou seja, a última menstruação. Em geral, ela ocorre entre os 45 e 55 anos. Contudo, pode acontecer antes mesmo dos 40 anos, chamada menopausa prematura ou precoce.

É comum que o termo menopausa seja usado de forma errônea para caracterizar o climatério. No entanto, essa é a fase de transição do período reprodutivo, também conhecido como período fértil, para o período não reprodutivo da vida da mulher.

A menopausa é caracterizada pela interrupção das menstruações. Quando falamos sobre os sintomas da menopausa, muitas mulheres acabam encarando essa condição como um problema de saúde. 

Afinal, a chegada da menopausa provoca irregularidades menstruais, hemorragias e menstruações mais ou menos frequentes. Entre outros sinais e sintomas da menopausa que são característicos estão as ondas de calor, conhecidas como fogachos, alterações do sono, da libido, do humor, e atrofia (enfraquecimento) dos órgãos genitais.

Apesar das dificuldades apresentadas, o climatério é um importante e inevitável período na vida de toda mulher, e deve ser encarado como um processo natural até a menopausa.

Quais as causas da menopausa?

Quando nasce uma mulher, já estão presentes em seu organismo os folículos responsáveis pela produção de todos os óvulos ao longo da vida. Essa reserva é utilizada desde a primeira menstruação, conhecida como menarca, até a última. 

Naturalmente, nenhuma mulher é capaz de produzir folículos para repor aqueles que já se foram. Ao serem extintos os últimos deles, os ovários entram em falência, diminuindo de forma irreversível a concentração dos hormônios femininos estrogênio e progesterona.

O declínio dos hormônios é uma das causas naturais da menopausa. Além dele, outras questões também podem causar a menopausa, como a remoção do útero, tratamentos oncológicos, insuficiência ovariana primária e outras razões indefinidas.

Remoção do útero

A remoção do útero é realizada pela cirurgia conhecida como histerectomia, e pode estar associada em alguns casos a retirada dos ovários. Quando o procedimento é realizado e os ovários são preservados, os sintomas da menopausa não são imediatos. Ainda que existam mais períodos menstruais, os ovários liberam óvulos e produzem estrogênio e progesterona. 

Já em procedimentos em que ocorre a remoção do útero e também dos ovários, a menopausa é imediata. Nessa situação, a menstruação é interrompida de forma permanente e a mulher começa a sentir os sintomas da menopausa, como ondas de calor, e outros sintomas causados pela mudança hormonal abrupta. 

Quimioterapia e radioterapia

A quimioterapia e radioterapia são tratamentos oncológicos muito comuns e podem induzir os sintomas da menopausa durante ou logo após o tratamento. Em alguns casos, a interrupção da menstruação, assim como da fertilidade, nem sempre é permanente após a quimioterapia e radioterapia. Dessa forma, medidas de controle da natalidade podem ser realizadas.

Insuficiência ovariana primária

Os sintomas da menopausa precoce afetam cerca de 1% das mulheres, e a principal causa para isso é a insuficiência ovariana primária. Essa condição ocorre quando os ovários deixam de produzir níveis normais dos hormônios devido a fatores genéticos ou doenças autoimunes.

Causa indefinida

Em algumas situações, as causas da menopausa não são encontradas. Quando isso ocorre de forma precoce, a terapia hormonal é recomendada até que seja alcançada a idade natural para a menopausa, protegendo ossos, cérebro e coração.

17 sintomas da menopausa para você se atentar

Considerando que a idade média seja entre 45 e 55 anos, os sintomas da menopausa podem ser intensos, interferindo no dia a dia e na qualidade de vida da mulher. Por isso, é importante conhecê-los para entender qual a melhor forma de tratá-los.

1. Ondas de calor

As ondas de calor, conhecidas como afogueamento ou fogacho, são as ondas de calor que acontecem na menopausa. Este é o sintoma mais comum, ocorrendo em mais de 80% das mulheres.

Os calores são causados pela diminuição da produção de estrogênio, provocando desregulação do termostato normal do corpo. Os fogachos começam no período pré-menopausa e podem durar até dois anos após a menopausa. 

Durante o climatério, o fogacho costuma desaparecer. Entretanto, cerca de 10% das mulheres permanecem sentindo este sintoma por muito tempo. O sintoma geralmente começa como a súbita sensação de calor centralizado na parte superior do tórax e rosto, e que rapidamente se torna generalizada. 

A sensação de calor pode durar de dois a quatro minutos, e é frequentemente associada a transpiração em excesso e, ocasionalmente, palpitações. Também podem ocorrer calafrios, tremores e o sentimento de ansiedade. A frequência dos fogachos varia muito. Desde um ou dois episódios por dia até dezenas deles ao longo das 24 horas. Contudo, as ondas de calor são particularmente comuns à noite.

2. Suores noturnos

Os suores noturnos são uma variante dos fogachos. Em algumas mulheres, os afogueamentos acontecem predominantemente à noite. Isso provoca suores intensos durante o período noturno. Em muitos casos, os suores noturnos atrapalham o sono e podem agravar os sintomas de cansaço e irritação da perimenopausa.

3. Distúrbios do sono

Os fogachos e suor noturnos, como já citados, é importante causa do incômodo no sono, no período caracterizado como menopausa precoce. Contudo, não são os únicos. Muitas mulheres na pré-menopausa apresentam dificuldades para dormir mesmo na ausência dos fogachos.

A dificuldade para dormir pode aparecer até 7 anos antes da menopausa precoce, e costuma se agravar no último ano que precede a menopausa. As mulheres que apresentam maior dificuldade para dormir são, em geral, as que sofrem com ansiedade e depressão. 

4. Menstruação irregular

As alterações no período menstrual podem ocorrer antes da mulher entrar na pré-menopausa e menopausa precoce. Inicialmente as mudanças são sutis e incluem alterações na intensidade do sangramento e diminuição do ciclo.

Conforme a menopausa precoce se aproxima, as mudanças menstruais se tornam mais óbvias. O ciclo menstrual passa a ser irregular e mais longo, durando entre 40 a 50 dias. O volume menstrual pode alterar para mais ou menos, e escapes podem ocorrer no meio do ciclo.

Assim, a menstruação se torna cada vez mais irregular, até desaparecer. A mulher no período pré-menopausa não sabe quando será sua última menstruação. Por isso, o diagnóstico da menopausa precoce só pode ser estabelecido de forma retrospectiva.

5. Depressão

As mulheres na pré-menopausa têm duas vezes mais chances de ter depressão do que em outras fases da vida. Esse risco é ainda maior em mulheres com sintomas severos de pré-menopausa, como fogachos e distúrbios do sono. Além disso, a depressão também pode acontecer em mulheres com menopausa precoce e que ainda desejam engravidar.

A redução dos níveis de estrogênio, associada aos sintomas incômodos da menopausa precoce e ao fato da mulher entender que está entre a juventude e a velhice, colaboram para uma aumentar a incidência da doença. No entanto, após o primeiro ano de climatério, o risco de depressão começa a cair.

6. Ansiedade

A ansiedade durante é provavelmente causada pela queda nos níveis de estrogênio circulantes no corpo na menopausa precoce. Esse é o motivo que reduz a produção de neurotransmissores responsáveis por regular o humor, como a serotonina e a dopamina.

7. Variações de humor

Assim como na ansiedade, a queda dos níveis de estrogênio é responsável pela grande variedade do humor das mulheres no período pré-menopausa e da menopausa precoce. 

Durante um único dia, a mulher pode experimentar diferentes sentimentos como euforia, raiva e tristeza, sem motivo aparente para tal. Da mesma forma que os sintomas físicos da menopausa precoce são importantes, os sintomas emocionais também costumam ser.

8. Secura vaginal

A vagina é composta por tecidos dependentes de estrogênio. Por isso, a deficiência desse hormônio quando ocorre na menopausa precoce causa o estreitamento do epitélio vaginal, resultando em atrofia e sintomas de secura vaginal, além de coceira e dor durante a relação sexual.

9. Diminuição da libido

As alterações hormonais típicas da menopausa precoce são as responsáveis também pela redução da libido na mulher. Da mesma forma, a própria secura vaginal pode tornar o ato sexual doloroso. Esse fato aliado a redução da quantidade de sangue na região vaginal e da vulva por deficiência de estrogênio, pode reduzir na mulher o prazer durante o sexo.

10. Dor em articulações

A queda dos níveis de estrogênio na menopausa precoce também afeta a saúde das articulações, tendões, ligamentos e músculos. Cerca de 60% das mulheres na pré-menopausa e menopausa precoce sentem dores articulares. 

Mulheres obesas ou com sobrepeso são as mais afetadas por esse problema. Diferente de vários sintomas da menopausa precoce que desaparecem no climatério, as dores nas articulações costumam permanecer.

11. Cansaço

O cansaço, a indisposição e falta de energia para atividades do dia-a-dia também são comuns na menopausa precoce. Eles acontecem não só devido aos desequilíbrios hormonais, mas também por alterações de humor e pela falta de sono. De forma geral, o cansaço costuma melhorar na fase do climatério.

12. Ganho de peso

O metabolismo da mulher e a forma como o corpo armazena gordura costumam se alterar com a redução dos níveis de estrogênio. O gasto calórico do corpo diminui, facilitando engordar com uma quantidade menor de calorias. Além disso, o corpo começa a apresentar um padrão de acúmulo de gordura mais parecido com o dos homens, com mais gordura disposta na barriga e ao redor da cintura.

13. Dores nas mamas

A mastodinia, ou dor nas mamas, é um sintoma muito comum nos primeiros anos da menopausa precoce. No entanto, vai se tornando um pouco mais branda e, em geral, ele desaparece no climatério.

14. Dor de cabeça

Um dos tipos de enxaqueca está relacionada ao período menstrual, e ocorre de forma cíclica todo o mês antes da menstruação acontecer. As mulheres que apresentam esse tipo de dor de cabeça podem ter um agravamento da mesma quando entram na menopausa precoce.

Mesmo aquelas mulheres que nunca tiveram dor de cabeça relacionada à menstruação podem passar a desenvolver o sintoma. A enxaqueca começa até 7 anos antes da menopausa e se intensifica de acordo com o ciclo menstrual, ficando cada vez mais irregular.

15. Pelos faciais

Durante o período da menopausa precoce, a relação entre os níveis de estrogênio e androgênio se alteram. A mulher produz pequenas quantidades de androgênios durante a vida, com seus efeitos bloqueados pelo estrogênio. 

Entretanto, conforme a menopausa precoce se aproxima, os níveis de estrogênios caem e os de androgênios sobem. Esse aumento dos hormônios pode provocar o aparecimento de pelos no rosto da mulher, principalmente no queixo, região acima dos lábios, nas bochechas, peito e no abdômen.

16. Desequilíbrio e tonturas

No período da menopausa precoce, episódios súbitos de tonturas e perda do equilíbrio costumam se tornar mais frequentes. As causas ainda não são bem esclarecidas. No entanto, como todos os sintomas da menopausa, estão relacionados ao componente da falta de estrogênios.

17. Sensação de barriga inchada

A sensação de estar com a barriga inchada ou distendida é comum no período de menopausa precoce. Mulheres que já apresentavam esse sintoma durante a menstruação costumam ser as que mais apresentam o inchaço nesta fase.

A redução do estrogênio altera a forma com que o corpo digere as gorduras da alimentação. Isso causa o aumento na produção de gases, responsáveis pela sensação de barriga inchada.

Como lidar com os sintomas da menopausa?

Os sintomas da menopausa podem ser tratados por meio de terapia medicamentosa e não medicamentosa. Conheça abaixo, alternativas nos dois tipos de tratamento que podem contribuir para melhorar a qualidade de vida da mulher neste período.

Terapia hormonal 

A reposição do hormônio estrogênio é um dos tratamentos medicamentosos mais eficientes para aliviar episódios de fogacho e suores noturnos, assim como prevenir a perda de massa óssea.

A terapia hormonal pode ser feita por meio de pílulas, adesivos, creme ou gel, e a recomendação da dosagem deve ser de acordo com a prescrição médica, dependendo do histórico familiar e pessoal da mulher.

Creme vaginal de estrogênio

O creme vaginal de estrogênio é uma forma de tratamento medicamentoso indicado para aliviar a secura vaginal, administrado diretamente no canal vaginal, sempre com uso de acordo com prescrição médica.

Antidepressivos

Os antidepressivos podem ser utilizados para reduzir a presença de fogachos. Este tratamento é indicado para mulheres que, por algum motivo, não podem realizar a terapia hormonal.

Tratamentos não-medicamentosos

Devemos lembrar que a menopausa é uma fase natural do processo de envelhecimento da mulher. Por isso, escolher um estilo de vida que seja saudável é a melhor forma de prevenir a menopausa, assim como tratar de seus sintomas. Veja como isso pode ser feito:

Alivie o desconforto vaginal

Para mulheres que sofrem com a secura vaginal durante a menopausa, a utilização de lubrificantes apropriados contribui para o alívio do desconforto durante as relações sexuais. Dessa forma, ao manter a vida sexual ativa, a mulher tem uma melhora do fluxo sanguíneo na região da vagina. 

Mantenha uma dieta saudável

Com o aumento dos riscos de doenças cardiovasculares e osteoporose, é preciso manter uma alimentação saudável nesta etapa da vida. Dessa forma, a mulher deve adotar uma dieta que seja rica em fibras, cálcio, vegetais e frutas, além de pobre em gordura e carnes vermelhas. Também é fundamental evitar o tabagismo, a cafeína e abuso de bebidas alcoólicas.

Pratique exercícios físicos

A prática regular de exercícios físicos ajuda na prevenção do ganho de peso, melhora a qualidade do sono, o humor e ajuda na densidade óssea, evitando fraturas. O ideal é realizar atividades por, pelo menos, 30 minutos diários, sempre com acompanhamento profissional.

Realize acompanhamento médico

Por ser natural na vida das mulheres que chegam à terceira idade, a menopausa não tem cura. Dessa forma, para aliviar os sintomas e garantir qualidade de vida durante este período da vida, é preciso realizar acompanhamento médico, adotando medidas de tratamento que facilitem essa fase de transição para a menopausa. Isso pode ajudar a prevenir doenças e condições como a osteoporose, distúrbios metabólicos e problemas cardiovasculares. 

Como saber se estou na menopausa?

A menopausa é confirmada quando a mulher está um ano consecutivo sem menstruar. Contudo, ao perceber os sintomas da menopausa, é importante procurar um especialista para realizar uma avaliação clínica e exames laboratoriais. 

Qual médico procurar?

Assim como o ginecologista, outro médico que pode realizar o diagnóstico e tratamento da menopausa precoce é o endocrinologista. Por isso, é fundamental buscar o atendimento de um profissional qualificado em uma clínica especializada assim que identificar os primeiros sintomas.

Na leitura de hoje você pôde conferir os sintomas da menopausa, como identificá-la e como essa condição pode afetar a parte física e emocional da mulher. Além disso, pôde entender que, ainda que não exista cura, o desconforto da menopausa pode ser aliviado com algumas alternativas.

Se você percebeu alguns dos sintomas da menopausa, é importante consultar um especialista. Para isso, faça já o agendamento conosco e conheça os serviços especializados da Clínica Croce!